Espaço reservado para a Animação em Flash
Atleta da Fundação Sinhá Junqueira prepara-se para o Pan 2016 ap Atleta da Fundação Sinhá Junqu... A atleta Brenda Caroline Campos, de 15 anos, aluna de Kung Fu da Fundação Sinhá Junqueira, no Centro de Promoção de Aramina, disputou na Costa Rica o 10º Campeonato Panamericano de Wushu, que acontece... saiba mais Com Kung Fu, crianças melhoram na escola e em casa Com Kung Fu, crianças melhoram... Um projeto educativo com ênfase no esporte está mudando a vida de crianças, jovens e famílias das cidades de Aramina, Guará e Jeriquara, na região de Ribeirão Preto, quase na divisa com o estado ... saiba mais
Últimas Notícias
Últimas Notícias
28/07/2014 Projeto Aluno Nota 10: assistidos ganham destaque por frequência integral e bom comportamento. Pais reconhecem impacto positivo na escola e no ambiente familiar Um projeto motivacional da Fundação Sinhá Junqueira está causando um efeito positivo no ambiente escolar: o Aluno Nota 10 destaca assistidos que mantiveram assiduidade integral e comportamento exemplar durante as atividades desenvolvidas na instituição, incentivando-os a ter comprometimento, responsabilidade, participação e boa conduta nos projetos em que participam nos seus Centros de Promoção Social em Aramina, Guará e Jeriquara. Iniciado há quase dois anos, o Aluno Nota 10 tem aumentado, mês a mês, a assiduidade e o rendimento dos estudantes. “Mais do que valorizar aqueles alunos que já tinham tal comportamento, o projeto deseja despertar nos assistidos o interesse em fazer parte deste time, valorizando a capacidade de cada um”, ressalta Valdir Crivelaro, coordenador da iniciativa. “Após o início do projeto, percebemos o quanto essa premiação motiva nossos assistidos, que, além de melhorar a frequência, passaram a ter mais responsabilidade com a vaga, entendendo o verdadeiro significado deste compromisso.” O programa atendeu em maio a 313 assistidos. Deste total, 70 foram contemplados como Alunos Nota 10, o que corresponde a 22,5% do total de estudantes. São crianças que, após o horário escolar, frequentam os Centros de Promoção para atividades complementares, o que as afasta das ruas, do risco de envolvimento com drogas e do trabalho infantil.   Um dos destaques do mês de maio frequenta o Centro de Promoção Social Jeriquara. Manoella Alves dos Santos, 8 anos, está na Fundação há cerca de dois. Faz dança, participa do Grupo de Crianças e do Projeto Pedagógico. “Eu chego cedo. Vou com minha irmã, Ariane. Não falto, faço a dança direitinho e gosto muito”, conta.   Manoella adora as aulas de dança. Por isso nada a faz faltar ou chegar atrasada. Segundo ela, a atividade despertou sua aptidão para a arte. “Acho o projeto muito bom, um dos mais legais da Fundação, porque me incentivou a mostrar um talento que eu tenho. Acho que vou ter futuro se continuar com a dança”, prevê.   Além da dança e da interação a partir do Grupo de Crianças, Manoella teve outros aprendizados importantes desde que entrou para a Fundação. “A Tia Natália me ensinou a respeitar a minha mãe, a ajudar em casa, a ter respeito com as pessoas na rua e eu ganhei um montão de amigos agora. É muito bom. Depois que eu entrei lá não quero mais sair. Eu a amo a Fundação.”   A mãe da aluna nota 10, Adriana Alves de Oliveira, 34, diz que o programa é um ótimo incentivo para a filha, que antes de entrar na Fundação passava muito tempo na rua. “A Manoella não deixa de ir de jeito nenhum, ela adora a Fundação, vai os quatro dias na semana. Fica menos tempo na rua. Ela é daquele tamanhinho, mas já tem responsabilidade. Até viaja com o grupo para fazer apresentações de dança”, orgulha-se.   Adriana tem outros três filhos. O mais novo, de 6 anos, é portador da Síndrome de Down. Ela conta que tem de levá-lo todos os dias à cidade de Franca para tratamento, e saber que a Manoella está crescendo e aprendendo enquanto ela cuida do filho menor é, segundo ela, um alívio. “Para mim, é ótimo. Fico mais sossegada por saber que ela está na Fundação”. Ela acrescenta que Manoella é muita ativa e que já pediu para participar de mais uma atividade, o kung fu.   Foi vendo o irmão dançando numa apresentação do projeto que a adolescente Ynae Silva Brito, 15, outra aluna nota 10, apaixonou-se pela arte. Já faz três anos que ela iniciou suas aulas. “Gostei e vi que era aquilo que eu queria. Entrei para a Fundação e agora estou flutuando”, conta ela, que sonha fazer carreira como dançarina. Esse, segundo Ynae, é mais um incentivo para manter a frequência nas aulas.   Além da dança, a aluna também faz kung fu e música, além de participar do Grupo de Adolescentes. Ela conta que não consegue mais ficar parada porque as atividades já fazem parte do seu dia a dia. “É muito bom, porque quando eu não estava na Fundação era muito rebelde. Mudou completamente depois que comecei. Aprendi a ter disciplina e responsabilidade, coisas que eu vou levar para a vida toda.”   Assim como Ynae, Hudson Henrique Lima e Silva, 17, também se encantou pela dança ao ver uma apresentação de final de ano. Há dois anos, inscreveu-se no curso e no Grupo de Adolescentes. Na ocasião, segundo ele, vivia uma fase conturbada e precisava de ajuda. “O Projeto me deu amparo, o conhecimento que não tinha em casa. Às vezes é muito mais fácil ouvir de uma pessoa diferente instruções para a vida do que de um familiar”, afirma o adolescente.   O nome e a foto de Hudson também ganharam seu lugar no mural dos alunos nota 10, o que é motivo de orgulho para ele. “É gratificante porque quando a gente gosta de alguma coisa se empenha bastante para conseguir chegar lá”. Reconhecer os integrantes dos projetos é importante, segundo ele, “porque mostra coisas novas ao aluno para usar no futuro”.   Incentivo   Cada assistido classificado recebe junto à sua foto no Mural uma “estrelinha”, referente a uma premiação simbólica, como forma de estímulo para que ele continue correndo atrás da classificação Nota 10. Aqueles que acumulam três estrelinhas recebem da equipe do Centro de Promoção Social uma premiação. Cada assistido tem a chance de acumular até 07 (sete) estrelas no decorrer no ano, de maio até novembro.   Para ser Aluno Nota 10 é necessário ter 100% de frequência em todos os projetos matriculados, ter bom comportamento durante as atividades e no momento que aguarda na recepção para o início das mesmas e ter cumprido as regras estabelecidas pelo Centro de Promoção Social, tais como o uso do uniforme e do crachá e a pontualidade. “Trata-se de uma iniciativa muito simples, mas que tem um impacto muito grande na vida dessas crianças. A maioria delas tem seus pais trabalhando durante todo o dia e não teriam como receber orientações tão valiosas. Esperamos que esse aprendizado esteja se refletindo também na escola e em casa, que seja uma lição para toda a vida”, afirma Crivelaro. saiba+ 25/04/2014 Fundação Sinhá Junqueira promove o V Campeonato Regional de Kung Fu entre Projetos Sociais A Fundação Sinhá Junqueira promoverá, neste domingo, dia 27, a partir das 8h, o V Campeonato Regional de Kung Fu entre Projetos Sociais. A iniciativa acontecerá no Ginásio Poliesportivo de Aramina, no interior de São Paulo, e reunirá participantes das seguintes cidades: Aramina, Jeriquara, Guará, Igarapava e Bebedouro, em São Paulo, e Uberaba, Uberlândia, Delta, Sacramento e Frutal, em Minas Gerais. A Fundação é responsável por um projeto educativo com ênfase no kung fu que atende crianças a partir de 5 anos e adolescentes em seus centros de promoção social em Aramina, Jeriquara e Guará. Cerca de 300 alunos participam anualmente. Na seleção dos atletas para as competições também são analisados o desempenho escolar e o comportamento. Com o Campeonato, a Fundação poderá, além de estimular a prática do esporte em geral, selecionar os melhores alunos de seu projeto em cada uma das três unidades, aperfeiçoar as técnicas nas quais estes se destacam e prepará-los para competições nacionais e internacionais. A competição possibilitará ainda medir o desempenho técnico e o comportamento fora do ambiente familiar, além de incentivar o trabalho da disciplina de horários, o respeito entre pessoas, responsabilidade e o compromisso com a arte marcial. “Também será um grande momento para o estímulo ao espírito competitivo saudável e para acompanharmos a interação dos assistidos da Fundação Sinhá Junqueira entre si e com os outros atletas de delegações convidadas, que fazem parte de projetos sociais da região”, explica a presidente da instituição, Maria Luiza Rocco. Criada pela benemérita Senhora Dona Theolina em 1950, a Fundação Sinhá Junqueira (FSJ) oferece mais de dez projetos que atendem crianças, adultos e idosos com Centros de Promoção Social em Aramina, Guará e Jeriquara, Centro de Inclusão Digital, em Igarapava, a Biblioteca Pública Cel. Quito Junqueira, em Aramina e o Centro de Formação Profissional - Núcleo Residencial, em Igarapava. “São projetos inovadores, que contribuem de forma decisiva para a melhoria da qualidade de vida das comunidades de baixa renda”, ressalta a Maria Luiza. saiba+
· · · TI-FSJ
Copyright ©2011 Fundação Sinhá Junqueira. Todos os direitos reservados.